Notícias

Apoios Económicos
08 Maio 2020
Novos apoios à atividade económica, empresarial e comercial

A criação de um Fundo Municipal de apoio ao investimento e ao desenvolvimento económico, dirigido a startups, microempresas e PME's da cidade, e a concessão de benefícios fiscais e isenção do pagamento de taxas municipais a comerciantes e outros agentes económicos, estimadas em 315 mil euros, constituem as principais medidas de reforço do Município do Porto no apoio aos setores económico, empresarial e comercial da cidade afetados pela crise. A proposta de Rui Moreira é votada na reunião de Câmara da próxima segunda-feira.

Este é mais um conjunto de ações municipais no combate aos efeitos económicos causados pela pandemia, depois da aprovação do primeiro pacote de medidas, e de outras entretanto adotadas pelo Município, quer de cariz mais específico, como é o caso da linha de apoio de emergência às associações, quer as que foram sendo aplicadas pelas empresas municipais Domus SocialSRU, Porto Vivo ou Águas do Porto.

Assim, os novos apoios que Rui Moreira vai propor ao Executivo Municipal na reunião privada de dia 11, a realizar-se uma vez mais por videoconferência, voltam-se, nesta fase, para o estímulo ao comércio de rua e ao comércio tradicional e histórico da cidade, e para as atividades de serviços, comércio, lazer e turismo do concelho que "pararam" e que agora, de forma faseada de acordo com o calendário de desconfinamento, podem ser novamente retomadas.

O primeiro desses apoios diz respeito à criação de um fundo municipal que apoie as startups, microempresas e PME's da cidade a dar resposta aos atuais desafios da economia, e que contribua, através do acesso a capital ou reforço de liquidez, para que os negócios e postos de trabalho se mantenham durante e após a atual crise.

Os meios financeiros serão afetados pelo Município, mas o presidente da Câmara do Porto não descarta a possibilidade de o fundo integrar "outros participantes da esfera privada que estejam dispostos a participar neste esforço de capitalização do tecido económico da cidade".

Paralelamente, serão disponibilizados serviços de consultoria em áreas específicas de apoio às empresas que possam contribuir para mitigar os efeitos da crise e promover a recuperação económica, apoio que poderá ser prestado pela InvestPorto, em articulação com outras entidades ou empresas de consultoria que integrem especialistas de várias áreas.

Será igualmente criada uma equipa dedicada no apoio aos contactos com as empresas, à formalização dos processos de candidatura ao fundo e o seu acompanhamento subsequente.

Com vista ao reforço do apoio às atividades económicas comprovadamente afetadas pelo fenómeno pandémico, em sede de revisão do RIIMMP - Regulamento de Isenções de Impostos Municipais do Município do Porto, a concluir ainda durante o ano de 2020, "serão ainda previstas situações de isenção e redução da derrama a lançar para os anos de 2021 e 2022", pode ler-se no documento.


Benefícios e isenções fiscais na ordem dos 315 mil euros

Por outro lado, uma segunda linha de apoio reflete-se na concessão de benefícios fiscais a estabelecimentos e agentes do tecido económico, comercial e empresarial da cidade. Segundo o cálculo, representam perto de 315 mil euros de dividendos que o Município deixará de receber.

De acordo com a proposta de Rui Moreira, é prevista a isenção total, ou seja, a 100%, no pagamento das seguintes taxas municipais: ocupação do espaço público com suportes publicitários; ocupação do espaço público com instalação de toldos, esplanadas, vitrinas e expositores, arcas e máquinas, floreiras, contentores, grelhadores, tapetes; outras ocupações do domínio público, como por exemplo, eventos sem fins lucrativos. No âmbito das atividades económicas no espaço público ficam isentas do pagamento de taxas municipais as construções ou instalações especiais no solo ou no subsolo, designadamente as construções ou instalações provisórias por motivo de festejos ou outras celebrações, para exercício de comércio; e pavilhões, quiosques ou outras construções não incluídas nos números anteriores do artigo 66.º da Tabela de Taxas Municipais em vigor, constante do Anexo G-1 da Parte G do Código Regulamentar do Município do Porto.

No documento que será apreciado pelo Executivo Municipal na próxima segunda-feira, o presidente da Câmara do Porto propõe também isentar do pagamento de taxas municipais a emissão de licença de exploração de circuitos turísticos; empreendimentos turísticos; a instalação de estabelecimentos de restauração ou de bebidas, de comércio de bens, de prestação de serviços ou de armazenagem; transportes públicos de aluguer em veículos automóveis; prestação de serviços de restauração ou bebidas com caráter não sedentário, em espaço público, em função da área das instalações e do período de funcionamento.

A devolução/reembolso das taxas anuais liquidadas no mês de fevereiro entretanto cobradas, relativas a esplanadas, toldos, suportes publicitários e licenças de exploração de circuitos turísticos, bem como daquelas que, não sendo taxas anuais, já foram cobradas respeitantes a factos tributários que ocorreram após o dia 29 de fevereiro do corrente ano, na sequência das isenções anteriormente assinaladas.

Das isenções e reembolsos previstos apenas podem beneficiar os estabelecimentos e agentes económicos que tenham a sua situação tributária regularizada perante o Município.

O documento refere ainda que estes apoios e isenções que resultam em perdas de receita municipal não põem em causa os orçamentos municipais nem de 2020 nem o do próximo ano.



Comece a construir a sua parceria com a InvestPorto, 
conheça o seu gestor de projeto e obtenha respostas personalizadas.

Contacte-nos

Copyright ©2020 Porto. Câmara Municipal